Animal sadio, ser humano sadio; Animal feliz, ser humano feliz.

Animal sadio, ser humano sadio; Animal feliz, ser humano feliz. Esta é a parceria perfeita entre a medicina veterinária e a medicina humana! 

Foto acima: Maria da Gloria Alves Cunha CRMV-ES 0264 – Médica Veterinária Clínica Geral. 

Atualmente, ter um animal de estimação pode não ser apenas uma questão de lazer ou de companhia. A medicina está descobrindo que eles também podem ser benéficos para a saúde humana.

Estudos mostram que pessoas, ao interagirem com animais, constantemente tendem a apresentar níveis controlados de estresse e de pressão arterial, além de estarem menos propensas a desenvolver problemas cardíacos.

Fato é que a redução do tempo de recuperação das doenças e uma maior sobrevida aos indivíduos que possuem animais de estimação. Percebe-se que, nessas situações, a presença do animal resultou na redução da ansiedade, diminuição de depressão, uma vez que os animais incentivam a atividade física, tanto para levá-los aos passeios como para a realização dos cuidados diários.

Interessante notar que, durante a internação, os pacientes demonstram desejos de melhorar rapidamente para cuidar de seus animais. Conclui-se então que os animais podem atuar como suporte emocional, representando um apoio para confiar e falar. Em outras palavras, como o animal não fala, ele passa a ser cúmplice do que os outros lhe contam.

Estudos desenvolvidos na área de Medicina Veterinária da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), em Botucatu, evidenciam que o contato com animais melhora os batimentos cardíacos dos idosos, além do estímulo emocional resultante da troca de carinhos.

Dentro de seu campo profissional, o Médico Veterinário possui diversas áreas de atuação, o que o torna um profissional de extrema importância para a sociedade.

Nas últimas décadas, novos desafios têm surgido para a Saúde Pública; muitos destes vieram como resultado do sistema de globalização mundial, que tem intensificado o tráfego de pessoas, alimentos e bens de consumo entre os diferentes países. Algumas enfermidades romperam as barreiras de proteção territoriais e estabeleceram-se em lugares onde antes não existiam.

Nesta realidade, os profissionais da saúde medico veterinária vêm tentando responder a estes desafios com eficácia, debelando as fontes de contaminação e impedindo a proliferação das enfermidades em suas áreas de responsabilidade.

Neste contexto, torna-se cada vez mais necessária a consolidação das posições conquistadas pelos Médicos Veterinários na Saúde Pública, bem como a conquista de novos espaços, principalmente dentro das equipes de Vigilância Epidemiológica e Ambiental.

Ainda existe uma visão limitada da sociedade sobre a atuação do médico veterinário no contexto da Saúde. O papel do profissional na Saúde Pública deve ser visto em seu mais amplo aspecto, pois envolve todos os organismos vivos, dos mais rudimentares até o homem.

O fato de grande parte da população ainda desconhecer a importância da participação do Médico Veterinário na Saúde Pública tem sido uma barreira enfrentada para a devida ocupação destes espaços. As atividades que este profissional desenvolve são, muitas vezes, divulgadas de forma limitada, atribuindo a estes apenas a prática da clínica médica veterinária e a inspeção sanitária dos matadouros.

A importância do Médico Veterinário de Pequenos Animais para a Saúde Pública

A imagem do Médico Veterinário esta relacionada principalmente a pequenos animais (cães, gatos e etc…) e grandes animais (bovinos, equinos, ovinos e etc…) vinculada à prática da clínica e da cirurgia que, apesar de muito importante, deve dividir o foco principal com a qualidade de vida do ser humano que se relaciona com esse animal.

O Médico Veterinário de Pequenos Animais utilizando de conhecimento e tecnologia para manter seus pacientes saudáveis, visando não oferecer nenhum risco à saúde dos proprietários, está preparado para atender seus pets e orientar seus clientes proprietários que a aquisição de um animal esta diretamente relacionado com a responsabilidade de cumprir requisitos médicos veterinários para garantir a saúde de toda a família em convívio com esse animal.

Essas orientações só devem ser seguidas quando fornecidas por um profissional regularmente inscrito em seu Conselho Regional de Medicina Veterinária.

As vacinações regulares, desvermifugações, cuidado com o controle de ectoparasitas vetores (carrapatos e pulgas), correta orientação a respeito de zoonoses (doenças transmitidas do animal para o homem) como a leishmaniose, toxoplasmose, leptospirose, raiva e outras garantem um animal de estimação sadio e incapaz de fornecer qualquer tipo de enfermidade aos seus conviventes.

Portanto o hábito de levar seu animal de estimação para visitas regulares ao Médico Veterinário de sua preferência não só garante a saúde e a higiene do seu pet como também a saúde de sua família.

Escolher conviver com um animal é, antes de mais nada, ter sob sua responsabilidade uma vida. E o caminho para ambos, animal e humano, usufruírem dessa relação com intensidade é o amor. Primeiramente, o proprietário aceitando o amor incondicional que o animal lhe oferece. E, da mesma forma que ele dedica ao tutor seu amor sem limites, o proprietário deve estar preparado para oferecer amor incondicional a ele também. O contato amoroso, leal e sincero permite que os benefícios fluam entre os dois.

Paulo do Amaral

Jornalista fundador do Vida Pet News – O Portal Capixaba de noticias dos animais – https://www.facebook.com/VidaPetNews

Deixe uma resposta