Cães paraplégicos precisam de cuidados especiais

Você já viu um cãozinho andar de cadeira de rodas? Isso é relativamente frequente atualmente. Com os avanços nos modelos das cadeirinhas, fica cada dia mais fácil os pets se adaptarem a elas e mesmo sem poderem movimentar as perninhas, conseguirem ter uma vida normal e feliz. Mas afinal, porque os cães acabam tendo que usar cadeirinhas de roda?

Diversos tipos de lesões podem fazer com que um pet acabe ficando paraplégico. Dentre elas podemos destacar as lesões neurológicas, musculares e articulares. Se um animal sofrer algum tipo de lesão na coluna, como uma luxação, fratura ou protrusão dos discos, a medula espinhal é atingida.

Com isso, os estímulos neurológicos que precisavam chegar até as perninhas traseiras do animal, param de chegar. Com isso ou ele fica paralitico ou com problema na locomoção. Algumas vezes isso é temporário, mas muitas delas é um quadro permanente.

Qual a diferença do quadro permanente para o temporário?

Às vezes, quando o pet sofre um trauma não há uma fratura e sim um edema localizado que comprime a medula. Nesse caso, com a medicação e tratamento adequado, o edema desaparece e com ajuda de fisioterapia o pet volta a andar normalmente, ou seja, é uma paralisia temporária.

Já nos casos nos quais ocorrem a ruptura de um disco intervertebral (fica entre as vértebras da coluna), ou que o cão tem doença articular degenerativa que faz com que ele tenha fibrose na articulação; na displasia coxofemoral muito acentuada; na mielopatia degenerativa que causa lesão neurônio motor superior, entre outras doenças, o quadro apresentado é de paralisia permanente.

Como saber o que ele tem?

O diagnóstico não é fácil. Além de um histórico clínico detalhado, de uma boa anamnese, vários exames complementares precisarão ser feitos. Dentre eles destaca-se o RX que é um dos principais. É importante que você conte tudo para o médico veterinário. Pode ser uma queda, um atropelamento ou um acidente dentro de casa. Tudo é importante para ajudar no diagnóstico.

Depois de descoberto o motivo, se ele não puder voltar a andar, além do tratamento passado pelo profissional, o uso da cadeirinha será muito importante. Há diferentes modelos e tamanhos para que a mais adequada ao porte do seu pet possa ser escolhida.

Não deixe o bichinho o dia todo na cadeirinha, pois ele precisa descansar. Quando for colocá-lo na caminha, use tapete higiênico para que o xixi seja absorvido e ele não fique molhado. Você pode também optar pelo uso da fralda para cães que é muito útil para esses casos.

Caso o bichinho tenha dificuldade de fazer cocô ou xixi, será necessário ajudar. Faça massagem na barriguinha dele para estimular o funcionamento do intestino e do sistema urinário.

Algumas vezes, o uso da cadeirinha causa algumas feridas na pele do animal e é preciso ter muito cuidado e atenção. Elas precisam ser limpas e tratadas imediatamente. Caso você note que estão acontecendo no mesmo lugar, use roupinhas específicas para cães para proteger essa parte ou converse com o médico veterinário sobre alternativas de cadeiras de roda.

Cuide bem do seu animal e garanta que ele se adapte a cadeirinha e tenha uma vida feliz ao seu lado. 

Fonte Blue Pet

Paulo do Amaral

Jornalista fundador do Vida Pet News – O Portal Capixaba de noticias dos animais – https://www.facebook.com/VidaPetNews

Deixe uma resposta