Empresário compra casinhas de cachorro para abrigar animais de rua em Porto Alegre

Abrigos foram postos na rótula da Avenida Severo Dullius, na Zona Norte

Todas as noites, o empresário Arlindo Paludo, 71 anos, alimenta os cinco cachorros de rua que perambulam pela Avenida Severo Dullius, na zona norte de Porto Alegre. Com a chegada do inverno, eles passaram a se abrigar embaixo da marquise da empresa que Paludo administra. Por isso, ele decidiu comprar uma casinha de madeira para cada um dos cuscos, que, desde quinta-feira (12), têm um lugar quentinho e aconchegante para passar a noite.

Os abrigos custaram R$ 800 ao todo e foram colocados lado a lado na rótula da avenida, onde os animais costumam brincar durante o dia. Além de terem um lugar novo para morar, eles continuam perto da firma de Paludo, que se tornou uma espécie de “padrinho” dos vira-latas.

— Eu via eles pelo prédio pedindo água e ração, então, decidi encomendar umas casinhas. Eles são uns queridos. Tá chovendo cachorro abandonado na cidade. Se continuar assim, vou ter que colocar mais algumas casinhas por aqui — diz o cachorreiro, que também é “pai” de dois lhasa apsos: a Cacau e o Gordo.

Paludo não faz ideia de quem são os donos dos cães, que vagam pela região há alguns meses. O palpite é que eles tenham sido abandonados durante a remoção das famílias da Vila Dique para as obras de ampliação da pista do aeroporto Salgado Filho – entre 2009 e 2012, 922 famílias foram transferidas para uma nova comunidade próximo ao Porto Seco, chamada de Porto Novo.

Resultado de imagem para Empresário compra casinhas de cachorro para abrigar animais de rua em Porto Alegre

A solidariedade aos animais faz parte do dia a dia do empresário desde a juventude. No porta-malas do carro, sempre há um pacote de ração para distribuir comida aos cachorros encontrados pelas ruas. Todos os meses, ele também ajuda o Cãodomínio do aposentado Paulo Roberto Giglio, 65 anos, mais conhecido como Paulinho da Filler, que abriga 141 cães em Capão da Canoa.

— Seu Paludo é fantástico. Há uns bons anos, ele parou do nada aqui e me deu um dinheiro pra ajudar a manter o sítio. Só eu sei o tamanho do coração dele, virou meu anjo da guarda — diz Paulinho.

— Ajudar quem não tem condições faz parte do DNA do ser humano. Se cada um fizesse a sua parte, o mundo ficaria tão mais fácil. O que vale é ficar de bem com a vida – acredita Paludo.

Fonte: Zero Hora

Paulo do Amaral

Jornalista fundador do Vida Pet News – O Portal Capixaba de noticias dos animais – https://www.facebook.com/VidaPetNews

Deixe uma resposta