Prefeitura de BH anuncia criação de hospital veterinário público

Primeira unidade de atendimento a animais ficará no Bairro Madre Gertrudes, na Região Oeste da cidade; PBH prevê inauguração até o fim do an

Até o fim deste ano, moradores de Belo Horizonte e região metropolitana já poderão contar com o primeiro Hospital Público Veterinário do Estado.

Anunciado nesta quinta-feira pelo prefeito Alexandre Kalil, o hospital funcionará inicialmente como uma espécie de Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) para cães e gatos, realizando consultas e procedimentos ambulatoriais.

João Godinho/OTEMPO

O hospital será instalado no prédio do antigo centro de saúde Vila Imperial, do bairro Madre Gertrudes, na região Oeste da capital. Abandonado desde 2009, o prédio será ofertado e restaurado pela Prefeitura de Belo Horizonte.

Uma emenda parlamentar federal de R$ 500 mil arcará com os custos para equipar o hospital. A gestão técnica e administrativa ficará a cargo de uma associação de veterinários e um convênio com universidades privadas da capital fornecerá mão de obra e insumos para os atendimentos.

A ideia inicial é que a prefeitura não arque com custo algum e opte por parceiras público-privadas (PPPs) com instituições de ensino. Dessa maneira, enquanto a prefeitura oferece um espaço de aprendizado, as faculdades oferecem mão de obra especializada – como um estágio. Entretanto, a maioria dos profissionais deslocados, segundo a PBH, virão da Associação Nacional de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais (Anclivepa).

De acordo com o vice-presidente da Anclivepa, Aldair Júnio Woyames Pinto, o hospital não vai interferir na iniciativa privada ligada ao setor. “Nossa função será trabalhar de maneira técnica, vinculado às instituições de ensino, sem prejudicar a profissão e o conceito mercadológico dentro de Belo Horizonte, na tentativa de resolver o problema daquelas pessoas que têm animais, mas não têm condições financeiras de arcar com os tratamentos”, afirmou. 

No hospital serão feitas consultas, exames de patologia clínica e de imagem, procedimentos ambulatoriais como pequenas fraturas e contenção de talas, e outros que podem partir de parcerias com instituições.

Os atendimentos serão feitos gratuitamente por meio de cadastro e distribuição de senhas. Será feita uma triagem para verificar as condições sociais e econômicas dos responsáveis pelos animais, uma vez que o atendimento é restrito a pessoas de baixa renda. 

Inicialmente, não estão previstos atendimentos de castração no local. O hospital receberá casos do tipo, fará os exames que estiverem disponíveis na unidade e contribuirá na busca por parcerias na realização dos procedimentos.

 

Paulo do Amaral

Jornalista fundador do Vida Pet News – O Portal Capixaba de noticias dos animais – https://www.facebook.com/VidaPetNews

Deixe uma resposta