Sr.Tutor: Tumor de mama em cadelas requer atenção

Os tumores de mama representam aproximadamente 50% das neoplasias em cadelas, sendo duas a três vezes mais comuns em nossas companheiras caninas do que em mulheres.

O uso de anticoncepcionais (em cadelas, para deixar bem claro) aumenta significativamente a chance de aparecimento dos tumores; por outro lado, a castração tem demonstrado diminuir a probabilidade: enquanto as cadelas que foram castradas antes do primeiro cio têm 0,05% de chance de desenvolverem tumores de mama, após o primeiro cio esta chance sobe para 8%, e chega a 26% após o segundo cio.

Aparentemente, passado este período, a castração não mais ajuda a prevenir os tumores.

Assim como ocorre com a maioria dos tipos de neoplasias, as causas dos tumores de mama em cadelas não são totalmente conhecidas. Sabe-se que existe influência dos hormônios sexuais, e que, como já mencionamos acima, os anticoncepcionais aumentam a sua frequência, assim como as pseudocieses (gestações psicológicas).

Em relação ao peso, é interessante observar que alguns estudos têm indicado que as fêmeas que eram magras em sua juventude – até os 2.5 anos -, têm menor predisposição aos tumores; já o peso nos 12 meses que antecedem o aparecimento do tumor parece não fazer diferença.

tumor2

Os tumores de mama em cadelas são fáceis de perceber: são nódulos, inicialmente pequenos, na região das mamas, podendo ficar entre elas. Se não forem removidos, podem ultrapassar 15 cm de diâmetro, e ulcerar (formar feridas que não cicatrizam). A indicação é sempre remover por cirurgia, podendo ser recomendável, conforme o caso, retirar também toda a cadeia mamária (todas as mamas) do lado envolvido, ou parte dela. Em algumas situações, ainda, pode ser preciso remover todas as mamas, dos dois lados.

É comum a recomendação da castração junto com a mastectomia (cirurgia para a retirada das mamas e tumores), como medida preventiva que visa a evitar ou retardar o aparecimento de novos tumores. Infelizmente, entretanto, o aparecimento dos tumores de mama é programado nos primeiros anos de vida, e a castração em conjunto com a remoção de tumores já existentes não tem o efeito protetor desejado.

A maioria dos casos ocorre em fêmeas com mais de seis anos de idade, e raramente ocorre em animais com menos de 2 anos. A maioria dos autores afirma que cerca de 50% dos tumores de mama em cadelas são malignos, embora um estudo feito no Rio Grande do Sul tenha detectado 71,8% de tumores malignos!

É possível que um mesmo animal tenha tumores malignos e benignos. Para saber se um tumor é maligno ou benigno, é preciso removê-lo e fazer um exame histopatológico, que é quando um pedacinho do tumor é analisado no microscópio para estudar as suas características.

tumores-de-mama-gato-1

Os tumores malignos podem gerar metástases em vários órgãos, inclusive nos pulmões.

Para se avaliar uma cadela com tumores de mama, é importante fazer uma radiografia torácica, e assim verificar se é possível identificar metástases, alem de exames clínicos, físicos, laboratórios e outros exames para analisar o estadiamento do Tumor, se já estava avançando para outras regiões do organismo.

Apesar de não ser necessário para todos os casos, pode-se fazer quimioterapia, quando ao exame histopatológico as células encontradas, são de caráter de malignidade e têm características metastáticas, assim lançamos mão das técnicas como a quimioterapia e outras como a Eletroquimioterapia que devem ser orientadas por um profissional experiente, um medico Veterinário com conhecimentos e ou especialização em oncologia.

Com ou sem quimioterapia, grande parte do sucesso do tratamento está baseado: no momento da cirurgia (quanto antes melhor), na remoção completa dos tumores na primeira cirurgia, e na margem de segurança utilizada (uma área bem maior do que a ocupada pelo tumor deve ser removida), alem da região comprometida é retirado de 2 a 3 cm da região saudável, em todos os lados, inclusive na profundidade quando possível.

Então, não perca tempo: se identificar algum nódulo estranho na sua cadelinha, leve logo ao médico veterinário para tomar os cuidados necessários!

Por: Dr. Vinicius Ribeiro da Silva – Medico Veterinário CRMV ES 1336 – Clinica e Cirurgia de Pequenos Animais 

Paulo do Amaral

Jornalista fundador do Vida Pet News – O Portal Capixaba de noticias dos animais – https://www.facebook.com/VidaPetNews

Deixe uma resposta