Veterinários encontram dificuldades na imunização contra a gripe

Campanha vai até 15 de junho e esses profissionais estão no grupo de risco

A Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe, que estava prevista para encerrar no dia 1º de junho, foi prorrogada até o dia 15 do mesmo mês, em todo o País. A recomendação do Ministério da Saúde (MS, Brasília/DF) foi adotada em decorrência dos possíveis impactos da paralisação dos caminhoneiros no transporte público e nos atendimentos em serviços de saúde.

Houve relatos de que alguns médicos-veterinários procuraram as unidades dos postos de saúde e encontraram dificuldades em receber a dose da vacina contra gripe/influenza. O Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV, Brasília/DF) esclarece que esse profissional atua em diversas frentes, inserindo-se em diferentes atividades desde a gestão até a vigilância epidemiológica e sanitária e, portanto, faz parte do grupo prioritário para ser vacinado nos postos de saúde espalhados pelo País. A resolução do Conselho Nacional de Saúde (CNS/MS) n. 287, de 08 de outubro de 1998, detalha quais são os profissionais da área e inclui os médicos-veterinários.

Depoimentos. 

A médica-veterinária com pós-graduação em Clínica e Cirurgia de Felinos, Helena Monkevic Casarin, destaca que os veterinários lidam, constantemente, com uma variedade de pessoas, animais doentes e com zoonoses, além dos mais diversos ambientes nos quais realizam os atendimentos. “Só somos capaz de trabalhar e atender a população se estivermos bem de saúde e, para isso, a prevenção é essencial”, atesta.

A profissional, que mora em Campinas (SP), relata que, de imediato, os funcionários do posto de saúde a negaram a vacina, pois não sabiam que veterinários são considerados como profissionais da saúde. “Para que eu tomasse, tive que acessar a internet do meu celular, pesquisar a lei e mostrar a eles. Mesmo assim, houve o constrangimento da espera, enquanto um questionava o outro. Por fim, me vacinaram para evitar confusão”, narra a veterinária, que, além de mostrar a Lei às pessoas do posto, apresentou seu CRMV.

Como lembrado por Helena, os veterinários estão ligados, diretamente, na prevenção de zoonoses sérias, capazes de levar a morte como: leptospirose, raiva, tuberculose, leishmaniose, entre outras. “Ou seja, lidamos, diariamente, com risco e nossa ausência representa potencial risco à população”, defende.

Na visão de Helena, toda campanha de vacinação contra a gripe é destaque em rede nacional de televisão, anualmente, descrevendo as etapas, quem tem ou não direito, entre outros detalhes da campanha. “Deveríamos ser incluídos na propaganda para que as pessoas tivessem conhecimento da Medicina Veterinária como agente proveniente de saúde. Hoje, quando dizemos que somos veterinários e considerados da área da saúde as pessoas dão risadas, brincam e não levam a sério. Pouca gente entende nosso papel em relação à saúde humana”, observa.

Para Helena, os veterinários pertencem a uma classe com dificuldades, principalmente, por falta de conhecimento de outros setores e, até mesmo, dentro da própria área. “Os profissionais que não conseguirem tomar a vacina contra gripe devem denunciar para que medidas sejam providenciadas”, sugere.

A médica-veterinária e Professora Associada de Cirurgia de Grandes Animais da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF, Campos dos Goytacazes/RJ), Paula Di Filippo, também frisa a essencialidade dos profissionais da Medicina Veterinária se imunizarem contra a doença e conseguiu tomar a vacina apenas porque mencionou, no posto de saúde, que era professora. “Na minha visão, falta representação junto ao conselho de classe e da própria Secretaria de Saúde do município”, finaliza.

Paulo do Amaral

Jornalista fundador do Vida Pet News – O Portal Capixaba de noticias dos animais – https://www.facebook.com/VidaPetNews

Deixe uma resposta